. Você sabe reconhecer gap de competência? Saiba como! | Instituto Marcos Tito
  • Fortaleza: (85) 3108 8001

Você sabe reconhecer gap de competência? Saiba como!

Uma vez que as empresas e profissionais vivem em uma constante adaptação diante dos desafios impostos pelo mundo globalizado, quem não investe em competências no mercado de trabalho atual, dificilmente se destacará.

Todavia, é fato que esse desenvolvimento de competências vai muito além da especialização em determinada área de atuação, sendo fundamental o aperfeiçoamento de qualidades que não estão necessariamente ligadas à sala de aula. Isso significa que as capacidades necessárias para um desempenho eficiente no trabalho não são apenas aquelas técnicas, mas também as individuais e comportamentais.

Quando existe uma lacuna entre as habilidades esperadas pela empresa e as que os profissionais já apresentam, acontece o que chamamos de gap de competência. É pensando nisso que, no artigo de hoje, explicaremos o que é, como reconhecer e como trabalhá-lo para o desenvolvimento pessoal e profissional. Acompanhe!

O que é o gap de competência?

Conforme apontado, um gap de competência corresponde à diferença entre o grau mínimo de aptidão esperado pelas empresas e o nível de capacidade apresentado pelos seus colaboradores.

Aqui, são priorizadas aquelas habilidades mais importantes que, se estimuladas e desenvolvidas, podem melhorar o desempenho tanto do profissional quanto o de sua área de atuação e, em consequência, o da empresa.

Buscar pelo aprimoramento dessas lacunas significa, como veremos a seguir, realizar uma gestão por competências, orientando o profissional e promovendo um aprendizado focado, especializado e contínuo.

Nesse contexto, a gestão de pessoas é parte fundamental no que diz respeito ao levantamento de necessidades, estímulo à busca por conhecimento e à prática de comportamentos que estejam alinhados aos objetivos da empresa.

Como reconhecê-lo?

Um cenário bastante percebido atualmente pelos gestores de pessoas é a demanda das companhias por profissionais amplamente capacitados e a dificuldade de encontrar os colaboradores certos nesse contexto.

Em relação a essa dificuldade, pode-se destacar dois aspectos desafiadores:

Superados esses primeiros impedimentos e encontrados os profissionais, as empresas precisam, então, focar em oferecer um ambiente de trabalho adequado, criativo e que promova o total desenvolvimento desses colaboradores, uma vez que o capital intelectual tornou-se um diferencial indispensável pelas organizações.

Aqui entram os investimentos em treinamentos focados nos objetivos estratégicos da companhia, mantendo os profissionais atualizados com as inovações de mercado e alinhados com a visão da empresa.

Todavia, para reter talentos, é preciso também conhecê-los, detectando o nível de capacidades apresentadas por eles e definindo, também, o grau que a empresa julga satisfatório — e é assim, ao levantar as necessidades de treinamentos, que se torna possível reconhecer essa lacuna de competências a serem desenvolvidas.

Outros fatores também possibilitam o reconhecimento de gaps, como:

Como trabalhar e reverter o gap de competência?

Agora que você já sabe como é possível reconhecer o gap de competências, chegou a hora de saber reverter a situação, conseguindo melhores resultados no âmbito profissional e pessoal. Para isso, é inevitável falar em gestão de competências e treinamentos. Entenda a seguir.

Gestão de competências

Como mencionamos no início do artigo, a gestão por competências é fundamental para trabalhar o gap, direcionando a sua ação para que esse seja gerenciado, minimizado e, eventualmente, eliminado. Sua principal ideia é aproximar ao máximo as competências já existentes na organização daquelas essenciais para o alcance dos objetivos organizacionais.

Trata-se de uma alternativa moderna e eficiente aos modelos gerenciais tradicionalmente utilizados pelas empresas, focada no mercado, nos negócios e no desenvolvimento contínuo. Aqui, a proposta é compreender e estabelecer as competências organizacionais críticas para o sucesso da companhia, desdobrá-las em termos de atribuições profissionais e desenvolvê-las junto ao time de colaboradores internos.

Mas como é implantada essa gestão? Tecnicamente, ela é colocada em prática a partir de um processo de mapeamento das competências organizacionais e profissionais desejadas, além daquelas já existentes nos colaboradores internos.

Tendo essas informações em mãos, a empresa pode:

Treinamentos como forma de minimizar o gap de competências

Todo treinamento corporativo deve ser considerado um investimento em capital intelectual.

Eles têm como característica principal a premissa de desenvolver determinadas aptidões e habilidades para que os profissionais desempenhem as suas funções com mais eficiência, ensinando técnicas e métodos que facilitem a execução de atividades e eliminando gaps de competência.

Entre as técnicas de treinamento em grupo ou equipe, as mais utilizadas estão:

É preciso, no entanto, esclarecer que um treinamento só acontece, de fato, quando está alinhado aos objetivos corporativos, tendo o apoio e também a participação do nível gerencial. Além disso, é essencial que as organizações disponibilizem oportunidades para que os profissionais apliquem o que aprenderam em suas funções. Caso contrário, perde-se o foco.

Por fim, deve ser realizada uma avaliação que comprove a eficácia desses treinamentos, de modo a verificar se a implementação do programa realmente alcançou os resultados esperados.

E sobre os resultados?

Por fim, é válido ressaltar que os resultados observados nas organizações que reconhecem e eliminam as lacunas em questão é certamente animador.

Isso porque se torna nítido o crescimento da motivação de todos os envolvidos para o desenvolvimento de competências desejadas, do engajamento ao trabalho e também do alinhamento à estratégia corporativa. O retorno financeiro, assim, é certeiro.

Como você pôde perceber, o gap de competência é algo que, quando reconhecido e trabalhado, pode ser revertido e transformado em ganhos tanto pessoais como corporativos. Isso porque não só as organizações saem beneficiadas com a eliminação dessa lacuna, mas também o profissional, que passa por um processo de autoconhecimento e aperfeiçoamento de habilidades, sendo reconhecido também financeiramente.

Gostou do artigo de hoje? Para continuar a leitura de conteúdos relevantes como este, não deixe de conferir em um de nossos posts como desenvolver a sua carreira!