. Como incentivar os funcionários a terem autonomia no trabalho? | Instituto Marcos Tito
  • Fortaleza: (85) 3108 8001

Como incentivar os funcionários a terem autonomia no trabalho?

Durante muito tempo a centralização de tarefas foi uma forma de organizar equipes e garantir poder aos cargos mais altos de uma organização. No entanto, os tempos mudaram e a nova realidade do mercado é: não é mais possível atuar com uma gestão centralizada, é preciso desenvolver autonomia no trabalho.

As empresas estão cada vez mais dinâmicas, com talentos únicos e equipes habilidosas. Os processos seletivos são mais exigentes e criteriosos. No meio disso tudo, não faz sentido não dar autonomia para que os profissionais exerçam seus potenciais.

Pensando nisso, muitos negócios estão buscando uma maneira de tornar suas equipes mais autônomas, mas sem abrir mão do comprometimento no dia a dia de trabalho. Por isso, compilamos, neste post, as principais informações que você precisa saber sobre como incentivar os funcionários a terem autonomia no trabalho.

Se você quer descobrir como construir lideranças mais sólidas, equipes mais proativas e funcionários mais satisfeitos e confiantes, continue conosco. Boa leitura!

Afinal, o que é autonomia no ambiente de trabalho?

Autonomia é um termo que expressa exatamente o contrário de uma relação de dependência ou submissão a um chefe, por exemplo. Pessoas que não a possuem ficam sujeitas à supervisão e aprovação de alguém para tomar determinadas atitudes.

Não é difícil prever que esse tipo de comportamento gere lentidão na execução das tarefas, comprometendo as atividades de uma equipe. Foi justamente em função desse problema que as empresas passaram a dar autonomia a seus profissionais, ou seja, condição para eles governarem suas próprias decisões com base em suas atribuições.

A prática desse conceito passou a se tornar real a partir do empoderamento de profissionais capacitados. O que isso significa? Atribuição de responsabilidades e poder de decisão para quem possui condições de fazê-lo sem supervisão.

Se você imagina isso como uma grande fonte de insubordinação e desordem, saiba que não é bem assim. A autonomia vem acompanhada da maturidade profissional, tão em evidência nos processos seletivos. Isso significa que não basta contratar os talentos mais qualificados, é preciso atribuir responsabilidades à altura da sua capacidade.

O papel do líder, nesse contexto, é definir as estratégias que serão utilizadas para atingir os objetivos do negócio. A partir disso, é de incumbência dos funcionários avaliar e escolher a melhor forma para conduzir determinada tarefa.

Logo, o líder é destituído da posição de delegador de tarefas para assumir a de parceiro do time. Ele trabalha junto, focado na motivação, no apoio e no desenvolvimento de suas equipes, além da parte estratégica.

Qual a vantagem em incentivar a autonomia dos funcionários?

A falta de liberdade para realizar escolhas simples da rotina de trabalho é um dos fatores que mais desmotivam funcionários. Se analisarmos a maior parte das empresas, perceberemos que os processos seletivos são extremamente exigentes, mas subutilizam as habilidades que contratam.

É bastante frequente que profissionais talentosos sintam que não estão tendo seu potencial utilizado ou sequer estimulado. Isso indica que muitos aspectos são negligenciados. Entre eles estão:

Para solucionar esse tipo de falha, é interessante que seja estabelecido um ambiente onde a própria equipe estimule o desenvolvimento uns dos outros. Isso pode ser feito por meio da orientação entre membros de um mesmo time de trabalho, quando existem novatos e veteranos em uma função.

Utilizando esse exemplo, quando um funcionário antigo é estimulado a desenvolver os mais novos, sua autoconfiança é reforçada, contribuindo para o seu senso de responsabilidade e comprometimento. O mesmo vale para quem é orientado, que costuma ter um aproveitamento melhor com um colega do que com o seu próprio superior.

O resultado é uma liderança totalmente focada na estratégia do negócio, com uma equipe que consegue resolver e propor soluções realmente relevantes. Dessa forma, ambas as partes saem satisfeitas e muito mais produtivas.

Como estimular a autonomia no trabalho?

Mantenha as metas e objetivos claros

É impossível exigir algo sobre o que as pessoas não têm clareza. Sob esse aspecto, é essencial que as equipes estejam informadas sobre os objetivos organizacionais, suas metas e, principalmente, seus prazos de entrega. Só assim é estabelecida uma rotina de trabalho eficiente.

Outro aspecto relevante é a sinalização das prioridades de cada projeto, para que cada um organize o processo de forma alinhada. Dessa maneira, não é preciso entrar em detalhes sobre a execução. A única necessidade é dar as coordenadas necessárias para que cada membro da equipe contribua para atingir o alvo.

Elabore um bom recrutamento de talentos

Um bom recrutamento é o que garantirá que sua empresa tenha à disposição profissionais realmente preparados para atuarem com autonomia. É essencial focar nessa etapa para que a delegação de tarefas seja tranquila durante a rotina de trabalho.

Não basta escolher os currículos com maior número de qualificações. É preciso estar atento a características comportamentais, que determinarão o nível de maturidade profissional de cada candidato. É a partir dessas informações que a empresa poderá escolher entre os mais preparados para atuarem com liberdade.

Invista na preparação dos times de trabalho

Trabalhar com os melhores profissionais exige esforços. Se você quer implementar a autonomia na cultura da sua empresa, o ideal é começar desde a fase de preparação e treinamento dos times de trabalho. Para isso, é interessante gerar oportunidades àqueles que não pensam duas vezes antes de tomar iniciativa.

Desse modo, é possível instituir mentorias e aconselhamentos de profissionais estratégicos à medida que os funcionários se mostram dispostos e curiosos por novos aprendizados. Além disso, presentear os profissionais mais ativos com cursos de qualificação é outra ótima alternativa.

Faça um mapeamento das competências da sua equipe

Só é possível melhorar aquilo que você mensura. Portanto, é preciso conhecer muito bem as suas equipes para conseguir identificar as potenciais lideranças. Se você quer otimizar o uso dos talentos que possui, é importante estar atento aos profissionais que demonstram capacidade para assumir responsabilidades maiores.

Existem ferramentas específicas para avaliar e mapear as competências individuais. Além de ser útil na distribuição das tarefas, isso ajuda a estabelecer lideranças e reconhecer referências dentro dos próprios times de trabalho.

Estabeleça um ambiente motivador

A autonomia também tem a ver com a valorização dos funcionários. Portanto, é essencial investir em ambientes motivadores, que inspirem autoconfiança e desinibição. Dar espaço para que as pessoas exerçam sua criatividade é um aspecto poderoso para o fortalecimento da autonomia no trabalho.

Para isso, é preciso estabelecer uma cultura tolerante ao erro, que permita falhas e que esteja voltada para a busca de soluções em vez de culpados. Dessa forma, os profissionais conseguem experimentar e aperfeiçoar seus próprios talentos, decidindo quais são as melhores escolhas para cada situação.

A autonomia no trabalho é um diferencial competitivo importante, que induz à criatividade, ao autodesenvolvimento e à responsabilidade por parte dos profissionais. Com isso, as equipes se tornam mais engajadas e comprometidas com o propósito do negócio.

Se você gostou do conteúdo e sente que pode gerar autonomia para suas equipes, gostará de ler o nosso post sobre como ter uma agenda prática e produtiva para o alcance dos seus objetivos!